TOLERÂNCIA

    07-12-2021

    Cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Tiago 1:14

    Há uma intolerância cristã que não é estreita nem dogmática. Ninguém que ame a verdade deve sentir simpatia pelo mal e a corrupção que marcam a vida de hoje. Capacidade de se opor ao que destrói é essencial. Ninguém que realmente ame a verdade poderá deixar de odiar a mentira. Ninguém que ame a justiça deixará de se opor à injustiça.
    Desafortunadamente, a tolerância para com o pecado tem sido recomendada muitas vezes. Na verdade, essa tolerância traduz uma neutralidade que envenena a própria vida em sentido moral. Muitos se acomodam facilmente com o pecado sob a impressão de que há algo cristão nisso. Nem por um momento devemos considerar o mais elevado bem de nossos filhos e amigos como questão aberta. Há coisas pelas quais devemos estar preparados para dar a própria vida.
    Devemos sustentar a verdade em oposição à mentira. Precisamos fazer isso com amor. Tudo que exalte a Cristo deve ser proclamado. Tudo que O ignore precisa ser repelido. Para a defesa do que é puro é necessário aborrecer o que é impuro.
    Quanto mais apreciamos a boa música, mais detestamos a música de má qualidade. Quanto mais amamos a arte, mais aborrecemos a arte expressa em certa brutalidade imoral. Precisamos estar convencidos de que encontramos a verdade, que somos guiados pelo Espírito à verdade. Não podemos duvidar de que estamos em sintonia com a Palavra de Deus.
    As pessoas usam muitas vezes a palavra “dogmático” quando falam sobre os que mantêm a verdade bíblica retilineamente e advogam sua perpetuidade. Mas o dogmatismo não se refere à doutrina, às eternas verdades da Palavra de Deus, mas à atitude das pessoas.
    Se tolerância significa que a pessoa nunca está segura de coisa alguma, isso é um obstáculo à conquista de outros para Cristo. Precisamos estar divinamente dotados de poder para oferecer a verdade da Palavra de Deus de modo claro ao povo.